Notícias da Pecuária
Notícias sobre agronegócios, agricultura, pecuária e meio ambiente - 20 de Setembro de 2019
03/07/2014 - 17:00

Ureia reforça a dieta do rebanho durante a seca

Pesquisador da Embrapa Gado de Corte mostra como o produto pode ser utilizado na alimentação dos animais.
Dalízia Aguiar/ Embrapa Gado de Corte
Ampliar
Mistura de ureia com sulfato de amônio.
Neste início de inverno, a ureia tem papel significativo na alimentação do rebanho e sua manutenção na seca. 
 
A substância estimula o aproveitamento das forrageiras de baixa qualidade e acrescenta proteína na dieta dos animais resolvendo dois problemas típicos da estação. Além disso, seu custo é baixo e sua utilização simples.

O composto orgânico pode ser adicionado ao sal mineral, ao volumoso ou ao concentrado. Porém antes disso, o produtor deve misturá-lo ao sulfato de amônio, na proporção 9:1, 9 (nove) partes de ureia para 1 (uma) de sulfato. 
 
Com sal mineral, a divisão é meio a meio. Metade ureia, metade sal, com troca a cada três dias para evitar empedramento. “Uma recomendação é incluir fubá na mistura, prolongando a vida útil do material, melhorando sua consistência e impedindo o empedramento”, aconselha Haroldo Pires de Queiroz, zootecnista da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

A composição da fórmula prescrita é 1 (uma) parte de fubá para 2 (duas) de sal mineral e 2 (duas) de ureia.
 
Com o volumoso, como a cana-de-açúcar e a silagem, a ciência recomenda adicionar 1% do volumoso, segue Haroldo Queiroz. Matemática simples: 100 kg de cana com 1 kg de ureia diluída em quatros litros de água. O mesmo cálculo para silagem. “Já com o feno, por não conter água, a porcentagem sobe para 3%”, completa. O preparo é realizado na hora de consumir.
 
No concentrado, é um complemento proteico para enriquecer e reduzir o custo da proteína, considerando que o preço do farelo de soja é mais elevado que o da ureia. “São 100 kg de mistura múltipla - energia, proteína e minerais – com 1,5 kg de ureia. O produtor tem a possibilidade de fazer a mistura e guardá-la para toda a seca”.
 
Por ser tóxico, o produto somente é fornecido a ruminantes, porque a flora do rúmen transforma o nitrogênio não proteico em proteína. Todavia, há uma dose segura processada diariamente e isso merece uma observação. Para tanto, indica-se inserir o composto, gradativamente, usando metade da dose na primeira semana.
 
“Caso sejam 20 kg de cana-de-açúcar + 1% de ureia, alimentar os animais com 10 kg por sete dias. Esse período introdutório adaptará a flora do rúmen à ureia e os riscos de intoxicação e sobrecarga do fígado reduzirão”, exemplifica e justifica o analista da Embrapa. Animais doentes, famintos ou sem adaptação, bezerros e cavalos, conforme Queiroz, não devem ingerir, pois quando a flora está em desequilíbrio, a ação tóxica desencadeia. 
 
Ressalta-se que todo ano, na seca, o emprego da substância é sugerido. No verão, o pasto tem 10% de proteína e o gado precisa, no mínimo, de 6%. Na estação fria, a proteína do capim cai para 2% e o bovino perde peso, mesmo com reforço, a qualidade não é elevada. “O animal tem acesso a um valor insuficiente de forragem e no máximo mantém o peso ou o perde, vagarosamente, no inverno. Se o pecuarista oferecer a ureia no sal, dieta arroz com feijão, terá garantido 100 gramas de ganho de peso por dia em um período crítico”, garante o especialista.
Informações Embrapa Gado de Corte
Gostou? Compartilhe!
COMENTE ESTA NOTÍCIA
CURTIU O NOTÍCIAS DA PECUÁRIA?
MAIS NOTÍCIAS
03 de Julho de 2014
13:04
Publicidade
Publicidade
ACOMPANHE NO FACEBOOK
Notícias da Pecuária - Todos os direitos reservados 2019.