Notícias da Pecuária
Notícias sobre agronegócios, agricultura, pecuária e meio ambiente - 20 de Julho de 2019
23/02/2013 - 10:00

Dicas Fertilize 2: Repetição De Cios Em Intervalos Regulares

O desempenho reprodutivo é diretamente responsável pela produção de leite por dia de vida útil da vaca, pelo número de animais de reposição, pela redução de custos e pelo aumento do ganho genético.
Enquanto em gado de corte, durante o período de serviço, as vacas retornam ao cio normalmente mais encarnadas que no cio anterior, em gado de leite elas voltam quase sempre mais magras devido ao mecanismo fisiológico da lactação que utiliza as gorduras corporais para a produção.

Butler (2005) relatou que vacas perdendo menos de 0,5 unidade do ECC durante os primeiros 30 dias após o parto levavam em média 30 dias do parto à primeira ovulação; vacas perdendo de 0,5 a 1,0 unidade do ECC levavam 36 dias; vacas perdendo mais de 1,0 unidade do ECC levavam 50 dias. Bourchier et al. (1987) pesquisaram 2.000 vacas em rebanhos de alta produtividade e encontraram efeito significativo na mudança do ECC sobre a taxa de concepção na primeira cobertura: vacas que ganharam condição durante as primeiras 12 semanas de lactação tiveram taxa de concepção de 67%, vacas perdendo de 0,5 a 1,0 unidade do ECC tiveram 55% de taxa de concepção e vacas que perderam mais de 1,0 unidade do ECC tiveram taxa de concepção de 47%. 
Relação similar foi observada por Butler (2005), que concluiu com base em vários estudos que a taxa de concepção diminui em 10% para cada 0,5 unidade do ECC que é perdida.

Tradicional e tecnicamente, são aceitos como bons os resultados em gado de corte quando o gasto de sêmen está entre 1,15 e 1,5 dose por concepção, ou seja, entre 66,7% e 87% de taxa de concepção. Em gado de leite, os resultados são bons se o gasto é de 1,5 a 2 doses por concepção, ou seja, entre 50% e 66,7%. Em ambos os casos, essa avaliação é válida para inseminações realizadas após observação convencional do cio. Embora o sêmen sexado requeira mais cuidados que o convencional em sua manipulação, esses índices podem ser alcançados também com o seu uso, quando todos os fatores envolvidos estão devidamente sob controle. De outra forma, as perdas aumentam.

Diversos fatores interagem para obtermos elevadas taxas de concepção. As vacas se apresentam no cio em diferentes condições fisiológicas, o que afeta os resultados da IA, mas falhas na inseminação devem ser evitadas por se tratar de um ato repetitivo e padronizado, que pode ser realizado 100% corretamente em 100% das vezes. Com certa frequência, ocorre em gado de leite o fato de vacas apresentarem 1 ou 2 cios no período de serviço e, não ficando gestantes, entram em anestro nutricional por 4 ou 5 meses. Nessa situação, são 150 dias a mais no intervalo de partos e, consequentemente, 150 dias a menos de produção de leite. Uma vaca que produz 20 Kg de leite por dia x 150 dias = 3.000 kg que deixam de ser produzidos por cada vaca nessa situação. Essa é a diferença entre emprenhar ou não essa vaca no pós-parto. 
Devemos realizar cada inseminação com o maior zelo possível, pois essa é a nossa chance de impormos ao rebanho o ritmo reprodutivo desejável, maximizando os lucros. Os parâmetros de eficiência reprodutiva do rebanho, os intervalos de partos e o gasto de doses/concepção são obtidos levando em conta o resultado de cada vaca. Eles se relacionam diretamente com a eficiência do ato da IA, por isso cada inseminação deve ser feita com todo o cuidado. Quanto menor o rebanho, mais significativo é o resultado de cada inseminação. Em um rebanho de 50 vacas, cada uma delas representa 2% da fonte de receita, o que aumenta nossa responsabilidade para o aproveitamento de cada cio.
Utilizando-se o Descongelador Eletrônico de Sêmen Fertilize®, eliminamos a possibilidade de falhas no fator descongelamento do sêmen com diminuição das repetições de cio em intervalos regulares. Pela nossa experiência e também pela comprovação de diversos usuários e pesquisadores, quando se introduz essa tecnologia na propriedade há aumento na taxa de concepção, mais crias nascidas por ano em gado de corte e de leite, diminuição dos intervalos de parto e melhora na relação entre vacas em lactação e vacas secas.  Em gado leiteiro, verifica-se, ainda, maior produção anual de leite.


Autor: Ricardo Reuter Ruas - Médico Veterinário
Diretor da Fertilize®
Consultor da Asbia - Associação Brasileira de Inseminação Artificial
Autor das cartilhas de Inseminação Artificial do Senar-MG e Senar-SP e do Manual de IA  da ASBIA
Obs: Este texto contém partes da publicação 

Mais informações no site: www.fertilizevet.com.br

Ricardo Reuter Ruas - Médico Veterinário
Gostou? Compartilhe!
COMENTE ESTA NOTÍCIA
CURTIU O NOTÍCIAS DA PECUÁRIA?
MAIS NOTÍCIAS
Publicidade
Publicidade
ACOMPANHE NO FACEBOOK
Notícias da Pecuária - Todos os direitos reservados 2019.