Notícias da Pecuária
Notícias sobre agronegócios, agricultura, pecuária e meio ambiente - 22 de Maio de 2019
16/01/2015 - 13:30

Artigo - Ideologia? Só durante as férias, por Kátia Abreu

Artigo de autoria da Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, revela o desafio de aumentar a classe média rural brasileira. Confira:
Kátia Abreu
Divulgação/Facebook
Ampliar
Senadora Kátia Abreu
O agronegócio brasileiro, suas demandas e seu potencial não são novidade para mim. Afinal, já se vão 20 anos de trabalho duro desde o Sindicato Rural de Gurupi, no Tocantins, até o Ministério da Agricultura. Nessa trajetória, procurei agir em sintonia com os anseios daqueles que represento e, ao mesmo tempo, busquei uma interlocução construtiva com o poder público.

Quis mostrar que somos todos –produtores rurais, empresas e governo– parceiros em uma causa comum: o desenvolvimento do país.

O agronegócio brasileiro é grande e complexo. Há gargalos a serem superados: as dificuldades do setor sucroalcooleiro, a necessidade de aperfeiçoar o processo de registro de agroquímicos e e ampliar a cobertura do seguro rural. Também precisamos adequar a política agrícola às especificidades do Norte e do Nordeste. Graças aos investimentos recentes, ampliamos a infraestrutura, mas temos de fazer mais.

Recebi da presidente Dilma Rousseff determinação para inovar. Pensei sobre isso. O que seria, de fato, inovar em um ministério com mais de 150 anos, que ajudou o Brasil a se tornar uma potência exportadora de alimentos e que tem, na sua estrutura um ícone da ciência tropical, a Embrapa?

Como inovar quando se está à frente de um setor que, nos últimos 40 anos, contribuiu para reduzir, de 40% para 20% o peso dos alimentos nas despesas das famílias?

Decidi enfrentar o desafio de aumentar o número de produtores da classe média rural. Dos mais de 5 milhões de produtores, 70% são das classes D e E, 6% são das classes A e B e apenas 15%, algo em torno de 800 mil produtores, são da classe média. Estabelecemos como meta dobrar esse número nos próximos quatro anos.

Vamos mapear as 558 microrregiões do país, classificando-as de acordo com suas respectivas dificuldades para formar uma rede de assistência técnica rural, envolvendo órgãos públicos, privados e universidades. Iremos de porteira em porteira, para encontrar os que mais precisam de apoio.

Daremos prioridade a tecnologias que aumentem a produtividade. O Brasil tem cerca de 30 milhões de hectares irrigáveis, mas aproveitamos apenas 17% disso. Aliás, a água será o mais novo produto do agronegócio. Nossos produtores de alimentos serão também produtores de água. Quero fortalecer as boas iniciativas nesse sentido.

Para garantir segurança, qualidade e transparência aos que consomem nossos produtos, vamos coordenar um planejamento nacional de defesa agropecuária.

Quero dar ainda mais eficiência ao Ministério da Agricultura por meio de investimento em um modelo de gestão focado em resultados e na transparência. Vamos pôr de pé a Escola Brasileira do Profissional da Agricultura e Pecuária para capacitar e fortalecer os nossos quadros técnicos.

O agronegócio é fundamental para o equilíbrio da economia. Nossos produtores “pequenos, médios ou grandes” e a agroindústria precisam de um ambiente institucional favorável. Precisam que os custos da burocracia, da regulação ineficiente e, principalmente, que a miopia ideológica de pequenos grupos não inviabilizem a sua atividade.

Todos têm a legítima aspiração de progredir e melhorar de vida e podem fazê-lo por conta própria – se lhes forem dadas oportunidades. Foi por isso que aceitei o convite da presidente Dilma Rousseff: para ampliar as oportunidades desse importante setor.

Não aceitarei divisão ou segregação. Produtores de todos os portes e as empresas do agronegócio podem ter certeza de que vou liderar o ministério para quem, dentro da lei, quer trabalhar e produzir.

Tenho dito que estarei aberta ao diálogo em torno de ideias e projetos. A sociedade espera de nós trabalho e resultados. A discussão ideológica, por vezes saudável, pode ficar para os momentos de folga.
O artigo é de Kátia Abreu, senadora licenciada pelo PMDB do Tocantins, ministra de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, publicado no jornal Folha de São Paulo
Gostou? Compartilhe!
COMENTE ESTA NOTÍCIA
CURTIU O NOTÍCIAS DA PECUÁRIA?
MAIS NOTÍCIAS
16 de Janeiro de 2015
15:38
14:20
Publicidade
Publicidade
ACOMPANHE NO FACEBOOK
Notícias da Pecuária - Todos os direitos reservados 2019.